Dos Baby Boomers à Geração Z: lidando com as diferenças

Você certamente já deve ter notado que somos diferentes dos nossos pais, e eles dos nossos avós. Com o passar do tempo, muitos eventos históricos marcam as pessoas, costumes são criados e comportamentos são moldados, seja por construção social ou por repetição. Os assuntos dos nossos avós com os amigos deles é completamente diferente das coisas que conversamos com nossos amigos. É por isso e por muitas razões semelhantes que dividimos grupos de pessoas nascidas em determinado período de tempo em gerações.

Quando as relações são familiares, as situações ficam mais simples, por questão de afinidade mesmo. Mas e quando as diferenças são expressas no ambiente de trabalho?

Dentro de uma mesma empresa, podem trabalhar estagiários de 16 anos e profissionais sênior, com seus 70 anos, lidando diariamente com os mesmos problemas e tendo que interagir uns com os outros para resolver os problemas. Como é possível trabalhar bem nessa situação?

A resposta é: conhecendo o diferente. Ao entender a forma de pensar das outras pessoas que são diferentes da gente, fica muito mais fácil compreender a motivação das decisões, dos comportamentos e das opiniões.

Baby Boomers

Nascidos entre 1946 e 1964, essas pessoas fizeram parte dos inúmeros nascimentos do pós-guerra. A perspectiva de vida era boa, então muitos casais jovens resolveram constituir família, elevando as taxas de natalidade. Foram marcados pela popularização da TV e todo o conteúdo disseminado por ela, buscando evoluir ideais como o feminismo, a liberdade e a igualdade.

Nesse contexto, também nasceu o movimento hippie, que aposta na música, nas artes e nas formas de cultura em vez da truculência das guerras. Ainda hoje, repetimos seu lema: paz e amor.

Geração X

Entre os anos de 1965 e 1977, nascia a Geração X. Em sua juventude, viveram períodos de rebeldia, como o nascimento do punk na Inglaterra e, no Brasil, o movimento pró-impeachment de Fernando Collor – os famosos caras pintadas.

A marca mais característica da Geração X é o avanço tecnológico que presenciaram. No mercado de trabalho, essas pessoas trabalharam utilizando desde as máquinas de datilografia até os mais modernos smartphones lançados pela indústria.

Geração Y

Também conhecidos como Millenials, os pertencentes à Geração Y nasceram entre 1978 e 1995. Vivem na prática, desde criança, o conceito de sociedade da informação e a popularização da Internet. Ainda quando pequenos, muitos já possuíam computadores em casa, e isso fez com que se tornassem bastante independentes: caso tivessem um problema ou uma dúvida, a resposta é fácil de encontrar numa pesquisa online.

A Geração Y procura sempre os modelos mais novos de TVs, computadores e smartphones, que atendam às suas necessidades multitarefas.

Geração Z

A mais recente geração, formada pelos nascidos depois de 1995, atribui a seus membros a característica de nativo digital. Eles já nasceram com uma tecnologia avançada, e você pode observar o florescer dessa geração nos dias de hoje: quantas crianças você conhece que já sabem utilizar smartphones e tablets ou até têm o seu próprio aparelho?

Em relação à educação, esse grupo é mais adepto aos novos modelos, como o de educação online. Muitas vezes, preferem assistir aulas no YouTube a prestar atenção no professor na sala de aula.

Muitos acontecimentos históricos marcaram cada pessoa nascida em determinada geração, além de toda a sua vivência particular e contexto social em que está inserida. Lidar com pessoas tão diferentes em um mesmo ambiente exige um exercício pleno de empatia e até de estudo. Quanto mais você aprende sobre a história das pessoas, mais é capaz de compreender a sua formação, que a tornou o que ela é hoje.

O tema é tão importante que virou curso na Descola. Para aprender sobre a diversidade das gerações e como se relacionar com cada uma delas, Eduardo Estellita trouxe para o curso Multi Gerações pontos essenciais para essa jornada. Você vai entender sobre as gerações, como comunicar para cada uma, modelos de gestão ideais, desde a formação das gerações até as forças que impactam o trabalho. Saiba mais aqui.

Comentários (01)

Comentar